Desemprego aumenta e atinge 12,9 milhões no 1º trimestre do ano.

Taxa de desocupação atingiu 12,2% da população economicamente ativa. IBGE, porém, não garante agravamento do quadro por pandemia do vírus.

O desemprego aumentou e atingiu 12,9 milhões de brasileiros no 1º trimestre do ano, segundo a PNAD Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Mensal), divulgada nesta quinta-feira (30) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

A taxa de desocupação ficou em 12,2%, frente a 11% no trimestre anterior (de outubro a dezembro de 2019), quando havia 11,6 milhões de brasileiros desempregados. Em contrapartida, a taxa atual foi menor do que a registrada no primeiro trimestre de 2019 (12,7%).

Segundo a analista da pesquisa, Adriana Beringuy, não há dados suficientes que mostrem o impacto da pandemia de coronavírus neste período. O isolamento social começou em março em diversas cidades brasileiras.

“Grande parte do trimestre ainda está fora desse cenário. Não posso ponderar se o impacto da pandemia foi grande ou pequeno, até porque falamos de um trimestre com movimentos sazonais, mas de fato para algumas atividades ele foi mais intenso”, disse.

Adriana diz que o crescimento na taxa era esperado, devido às características do período. “O primeiro trimestre de um ano não costuma sustentar as contratações feitas no último trimestre do ano anterior. Essa alta na taxa, porém, não foi a das mais elevadas. Em 2017, por exemplo, registramos 1,7 p.p.”, afirma.

O rendimento médio real ficou em R$ 2.398 no primeiro trimestre do ano.

FONTE : R7